Posts Tagged ‘ROMANO’

Jardim Romano ganha festa junina

Fotos: Felipe Godoy

Carlos diante das barracas que montou para a Festa Junina do Jd. Romano.

Os estabelecimentos comerciais do Jardim Romano, bairro localizado no extremo leste da capital paulista, foram os locais escolhidos para a fixação dos convites. “Estaremos realizando um maravilhosa Festa Junina, venha se divertir de montão com seus amigos”, diz o escrito nos cartazes.

A ideia da festa surgiu de Carlos Barros da Silva, presidente do Grupo de Escoteiros Nova Aliança, que atua na região e no município de Itaquaquecetuba, próximo ao bairro. “Quis fazer alguma coisa e lancei a ideia. Daí as pessoas começaram a me procurar querendo montar barraca e ajudar”, afirma. E Carlos não fica apenas na organização, pelo contrário, o escoteiro de 58 anos põe a mão na massa. Quando foi procurado pela nossa reportagem estava montando as barracas para a festa, que aconteceu no último sábado (25/6), na rua Capachós. A via ficou conhecida por se tornar o símbolo da destruição causada pelas enchentes no bairro, entre dezembro de 2009 e março de 2010.

Carlos é pernambucano e desde os 12 anos escoteiro. “Devo muito ao escotismo”, afirma. Aposentado – “por tempo de serviço”, frisa –, organizou a festa junina no Jardim Romano com o objetivo de atrair a criançada e unir a comunidade. A busca pelo bem comum é algo que corre nas veias de Carlos. Há 25 anos sob o comando do Nova Aliança, já realizou diversas atividades culturais, educacionais e de lazer, muitas delas exibidas em um painel, alocado em um pequeno escritório. Além disso, ostenta as pastas em que guarda recortes de jornais e certificados de vários cursos. Questionado sobre sua história de vida, confessa: “minha história é grande. Inclusive, estou até escrevendo um livro sobre ela”.

O escotismo foi criado na Inglaterra, em 1907, por Robert Baden-Powell. O objetivo do movimento é desenvolver no jovem valores essenciais para o seu crescimento e para a sociedade como a fraternidade, a lealdade, o altruísmo, a responsabilidade, o respeito e a disciplina. “Levamos cidadania e valores que irão acompanhá-los em toda sua vida.” Já são mais de 28 milhões de escoteiros associados em todo planeta. Carlos já perdeu as contas de quantos desses jovens passaram por suas mãos. “Só no Parque Ecológico de Itaquá foram mais de 500. Atualmente são uns 30”, tenta calcular. “Não ensinamos com o giz. Nosso método é o de aprender na prática”, explica. De acordo com ele, o trabalho é realizado tendo como base o tripé físico, mental e espiritual. “Nosso objetivo principal é formar uma grande família.”

No currículo de Carlos está gravado a luta por muitas causas sociais. Uma delas é o movimento Pró-estação Jardim Romano, que por muitos anos buscou a construção de uma parada ferroviária no bairro. “Dê uma olhada neste jornal (datado de setembro de 1987), veja quanto tempo lutamos por isso”. A estação foi inaugurada em 2008. No horizonte de Carlos ainda tem vários projetos a serem concretizados, como o campeonato de pipas. “Utilizamos os jogos para melhorar o rendimento escolar do jovem”.

As bandeirolas, os brinquedos, as barracas com comidas típicas, a quadrilha, entre outros elementos que fizeram parte dos festejos juninos no Jardim Romano, são conquistas de Carlos para toda comunidade. O que mostra que ele segue à risca o lema “Sempre Alerta” dos escoteiros, que representa a necessidade de você estar constantemente pronto para cumprir com o seu dever: ajudar. “O que me tornou um cidadão ativo foi o escotismo”, conclui.

Moradores auxiliam na organização da festa.

Veja essa reportagem e fotos da festa junina do Jardim Romano nos portais de notícias São Miguel Paulista e Itaim Paulista.

Anúncios

Capela de São Miguel Arcanjo é reinaugurada após sete anos de restauro

Fotos: Felipe Godoy

As nuvens que escondiam o sol na manhã do último domingo (20), não encobriram a alegria que sobrevoou São Miguel Paulista. Após sete anos de restauração, a Capela de São Miguel Arcanjo, localizada na praça Pe. Aleixo Monteiro Mafra, foi reaberta. A igrejinha, datada de 1622, é considerada a mais antiga da capital paulista e seu processo de reparação custou cerca de R$ 6 milhões. As visitas públicas terão início a partir do próximo sábado (29).
A cerimônia de reinauguração contou a presença de autoridades políticas e religiosas. Entre eles, o governador Geraldo Alckmin, o secretário de Estado da Cultura, Andrea Matarazzo (que, sem querer, confundiu o sobrenome do pratono de São Miguel. José de Anchieta virou José de Andrade), o cardeal arcebispo emérito de São Paulo, D. Claudio Hummes, o bispo emérito de São Miguel, D. Fernando Legal e o bispo diocesano local, D. Manoel Parrado Carral. Entretanto, os principais protagonistas da festa foram os antigos moradores do bairro, que se emocionaram ao ouvir, após anos de silêncio, o sino da capela soar.
Na oportunidade, foi inaugurado o Circuito de Visitação da Capela, que exibirá ao público achados arqueológicos e imagens sacras dos séculos 16 a 18, destruídas por um vândalo há mais de 40 anos e totalmente recuperadas. Entre as imagens, estão a de São Miguel Arcanjo e a de Nossa Senhora com o Menino Jesus. Esta última é creditada ao Frei Agostinho de Jesus, considerado por historiadores o escultor da imagem achada por pescadores que deu origem à adoração de Nossa Senhora Aparecida. A mostra conta, ainda, com painéis e totens, que descrevem a história do bairro, um dos mais antigos de São Paulo, fundado pelo jesuíta José de Anchieta. Durante o evento, também foi lançado o livro “Capela de São Miguel: Restauro, Fé e Sustentabilidade”, que retrata o projeto de restauro em seu processo de execução e fundamentos técnicos.
A visita à Capela poderá ser feita nas quintas e sextas-feiras, das 10h às 16h, e aos sábados, das 11h às 16. É preciso agendar pelo telefone (11) 2032-3921 e a entrada custa R$4.

  • Uma observação…

Hoje, foi um dia de emoção. A Capela de São Miguel Arcanjo tem um significado singular para mim. Ela foi o centro de um período – não muito distante, confesso – importante da minha vida, o fim da faculdade. Porém, o evento de reinauguração foi direcionado a um público seleto (para não dizer político), o que considero uma falta de respeito à população do bairro. Sei que a capelinha não tem estrutura para suportar um grande número de expectadores, entretanto, centenas de pessoas testemunharam, ao longo do século passado, o desenvolvimento do bairro em torno da igreja. Encontraram nela abrigo, paz, amizades. Lá brincaram, ouviram sermões e sonharam. Limitar a poucos a chance de presenciar um momento histórico no lugar que fez (ou ainda faz) parte da vida de muitos, chega a ser injusto.

Esta matéria também pode ser lida no portal de Notícias  http://www.saomiguelpaulista.com.br/



Com a chuva, trecho da Linha 12 – Safira da CPTM fica debaixo d’água

Hoje à tarde, com a forte chuva, a circulação dos trens da Linha 12 – Safira da CPTM foi prejudicada. Os trilhos próximos à estação Jd. Romano ficaram submersos pela água do córrego que divide São Paulo do município de Itaquaquecetuba. A água ultrapassou os muros, os mesmos que desabaram no ano passado, e invadiu as ruas Danças Hungúras e Marigui e a Av. Diogo Costa Tavares. Porém, desta vez, devido à construção do piscinão, as vias e casas próximas ao rio não inundaram. Veja as fotos que tirei com o celular:

Avenida no Jardim Romano é recuperada

O Natal neste ano foi diferente para os moradores do Jardim Romano, bairro da zona leste da capital paulista. Ao contrário do ano anterior, famílias não passaram o feriado submersas pela enchente. Outra boa notícia foi a recapagem da Avenida Tomás Lopes de Camargo, conhecida como Central. Como denunciei recentemente aqui no Blog (http://acessa.me/aeec), o intenso tráfego de caminhões causou diversos danos no asfalto da via. O descaso também foi destaque no blog dos estagiários do jornal O Diário de S.Paulo (http://acessa.me/adgm). Um belo presente aos moradores da região!

Foto: Felipe Godoy

Um ano depois: famílias vitimadas pelas enchentes recebem termo de habitação definitivo

Milton Michida

No último domingo (5), completou um ano que regiões do extremo leste da capital paulista ficaram alagadas. Nesta segunda (6), famílias do Jardim Pantanal, Jardim Romano e Parque das Flores, principais áreas atingidas, receberam o Termo de Atendimento Habitacional Definitivo. A medida beneficiou 1.047 famílias. Naquela ocasião, a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) realizou um atendimento emergencial concedendo benefícios dos programas Auxílio-Moradia Emergencial e Novo Começo.

“(A enchente) é um problema na cidade de São Paulo, e também na Região Metropolitana, que só pode ser resolvido com a integração de todos os níveis de governo: municipal, estadual e federal. Nós temos que investir em desassoreamento dos rios, limpeza de córregos, bueiros. Temos que investir em habitação, evitar que as pessoas sejam obrigadas, pela miséria em que vivem, a irem para áreas de risco, várzeas de rios, encosta de morros, ao lado de córregos. Isso é o que precisamos evitar. Porque o custo depois, de vida e o econômico, é muito alto”, disse o governador Alberto Goldman.

Foram entregues 476 termos. Outros 571 documentos serão entregues aos demais beneficiados em breve. As famílias foram selecionadas segundo ordem de remoção.

Secretaria da Saúde lança guia de serviços voltados a idosos na zona leste de SP

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio do Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia (IPGG), lançou um guia de serviços voltados ao atendimento de idosos da zona leste de São Paulo, nas mais diferentes áreas.

Intitulado de Rede Solidária à Pessoa Idosa, o guia foi feito em parceria com instituições públicas e da sociedade civil nas regiões de Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista e Itaim Paulista. Separado em tópicos (Assistência Social, Cidadania, Educação e Cultura, Esporte e Lazer, Saúde, Segurança e Justiça), o guia reúne de maneira prática e didática os serviços da região, formando uma espécie de rede de serviços. 

Inicialmente, serão distribuídos 500 exemplares à população local. Além disso, todos os participantes da rede receberão, em mídia digitalizada, uma cópia do guia.  O material também está disponível no blog http://repi-leste.blogspot.com.

O IPGG desenvolve atividades de assistência à saúde e de convivência para idosos e fica na Praça Padre Aleixo Mafra, 34 – São Miguel Paulista – São Paulo/ SP.

Jardim Romano: Av. Tomás Lopes de Camargo, o antes e o depois

Como mostrei em post recente, algumas vias do Jardim Romano estão destruídas devido o intenso tráfego de caminhões. Um bom exemplo disso é a Avenida Tomás Lopes de Camargo. Conhecida pelos moradores como Central, a rua é uma das principais do bairro. Por ela circula as linhas de ônibus Jd. Romano-Penha (273j-10) e Jd. Romano-A. E. Carvalho (273j-21). Além do transporte público, os veículos pesados responsáveis pelas obras que acontecem no bairro dominaram a avenida, que antes era uma das mais bem cuidadas da região. Com a ferramenta Google Street View, podemos observar como a via era antes.

Antes: Google Street View

Hoje: Felipe Godoy



Agora, é aguardar o fim das obras e ver se a Construtora Queiroz Galvão, responsável pelo Dique, sanará os danos.

Festival do Livro e da Literatura de São Miguel

Jardim Romano, o reflexo das águas e da passividade pública

 

Ruas empoeiradas, que com uma fraca chuva ficam enlameadas, asfaltos destruídos pelo peso dos caminhões e tratores e vias interditadas. Assim está, hoje, o Jardim Romano, bairro da Zona Leste de São Paulo que há quase um ano ficou submerso pelas enchentes. Apesar do descontentamento de alguns, todo esse caos é reflexo das obras que estão sendo realizadas na região. O chamado piscinão do Jardim Romano está quase finalizado. O reservatório acabará com os impactos causados pela chuva – ou minimizará, pois só se pode afirmar após o período das chuvas, que estar à chegar. Mesmo observando o avanço das obras e a modernização do bairro, fica uma incerteza: será que ao término das obras, os sinais deixados por elas como as ruas destruídas e a poeira que impregna os calçados dos moradores serão reparados? É aguardar para ver. Porém, uma outra incógnita permanece, não apenas aos moradores da região, mas, também, a todos os brasileiros: até quando nosso governo será reativo e somente agirá em casos emergenciais, como esse? A dúvida permanece…

Estação Calmon Viana da CPTM é modernizada

O Governo de São Paulo entregou as obras de modernização da Estação Calmon Viana, localizada na cidade de Poá e que faz a integração entre as linhas 11-Coral (Luz-Estudantes) e 12-Safira (Brás-Calmon Viana) da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O local, antes acanhado e desprovido de facilidades de acesso, deu lugar a uma estação mais moderna, ampla e totalmente acessível, especialmente para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Uma das melhorias mais significativas são os três elevadores localizados na nova passarela metálica totalmente coberta, na cor vermelha, revestida de piso antiderrapante. A CPTM também construiu nova plataforma, a de número 4, no lado norte, que se somará às outras três em operação. Em breve, ela permitirá à estação acomodar dois trens da Linha 12-Safira ao mesmo tempo. A novidade agilizará a chegada e partida dos trens e vai melhorar os fluxos de embarque e desembarque da estação, que já recebe as primeiras novas composições, de um total de 20 que atenderão a Linha 12-Safira.

Detalhes que fazem diferença

Antes inexistentes, banheiros públicos e sanitários exclusivos para pessoas com deficiência foram construídos. A estação terá um bicicletário anexo, totalmente coberto e com 84 vagas gratuitas, com possibilidade de ampliação, dando mais comodidade e facilidade para os usuários chegarem ao local. Pessoas com deficiência poderão utilizar nova rampa de acesso, que vai da calçada ao nível da plataforma.

As plataformas foram ajustadas, com regularização e elevação do seu nível em concreto. Novos pisos de porcelanato antiderrapante para alto tráfego substituíram os antigos, de cimento, oferecendo mais conforto para o deslocamento dos usuários. Piso e rotas táteis (direcionais e de alerta), atendendo as normas brasileiras de acessibilidade, foram colocados em toda área útil da estação. A CPTM também instalou novas coberturas metálicas nas plataformas, protegendo as pessoas de intempéries como sol forte ou chuva. A estação ganhou nova iluminação, mais abrangente e clara.

Outra novidade é a comunicação visual atualizada (mapas, placas indicativas e totem), mais moderna e com o mesmo padrão que está sendo adotado nas estações recém-inauguradas e trens (novos e reformados). A fachada da estação foi revitalizada, com pastilhas cerâmicas na cor vermelha, e a bilheteria agora possui vidro blindado com intercomunicadores para facilitar o atendimento aos usuários no momento da compra de bilhetes.

Novas salas técnicas, com gerador de energia que permitirá manter os principais equipamentos em operação mesmo em casos de blecaute, e um reservatório de água, com 80 mil litros, também foram incorporadas à estação. A nova caixa d’água permitiu a instalação de sistema de combate a incêndio por meio de hidrantes.

Piada do mês: Famílias do Jardim Romano recebem Auxílio-EMERGENCIAL

Foto: Sérgio Andrade

Durante os meses de dezembro (2009), janeiro e fevereiro (2010), várias ruas do Jardim Romano e bairros próximos ficaram alagadas. Agora, meses depois das ruas já estarem secas, o governo do Estado, em parceria com a prefeitura de São Paulo, anunciou a liberação do Auxílio-Moradia Emergencial e do Programa “Novo Começo” às famílias atingidas pelas chuvas.

A medida foi anunciada no início de julho. No evento, também foram realizadas as assinaturas do edital de licitação para a construção de 282 unidades habitacionais e do DIS (Decreto de Interesse Social) de oito áreas, ambos em terrenos na região.

Segundo o governo do Estado as primeiras 300 famílias beneficiadas receberam R$ 1.300, referentes à primeira parcela de R$ 300 do Auxílio-Moradia Emergencial e uma parcela única de R$ 1 mil do Programa “Novo Começo”. Com os novos benefícios, as cerca de 3.700 famílias que já estão recebendo o Auxílio-Aluguel, receberam um cartão que possibilitará sacar o benefício direto no Banco do Brasil, evitando o deslocamento até a Sehab para a retirada do cheque. “Com o cartão elas terão acesso às suas necessidades imediatas”, afirmou o governador Alberto Goldman.

Chega até ser engraçado falar de IMEDIATISMO tanto tempo depois do caos vivido pelos moradores da região. As ruas já secaram há mais de cinco meses e só agora um auxílio EMERGENCIAL foi liberado. Não sei se você concorda comigo, mas, emergência é sinônimo de urgência, pressa, rapidez, ou seja, é uma necessidade imediata e não para cinco meses após as enchentes. Vale lembrar que a Prefeitura só solicitou o reconhecimento do estado de calamidade pública para a região em março. Um dique (pôlder), obra de hidráulica e drenagem que, segundo o governo, vai evitar futuros alagamentos na região está sendo construído.

A situação vivida pelo Jardim Romano é um exemplo de ineficiência pública. Será que engenheiros, técnicos e especialistas nunca se preocuparam em am analisar a região antes das chuvas? No lugar onde estão construídos os prédios da Caixa Econômica Federal e o Centro Educacional da prefeitura, antes era uma área que, quando chovia, retia toda a água e impedia que casas fossem inundadas. O que é mais fácil: prevenir ou ter que agir depois que algo aconteceu? Não precisa nem responder!

Felipe Godoy

Rua Capachós, em janeiro.

Relembre a história do Jardim Romano: https://felipegodoy.wordpress.com/tag/romano/

Pirataria na comunicação

Na minha casa consigo falar ao telefone e, ao mesmo tempo, ouvir música. Isso porque uma rádio pirata está gerando interferência no aparelho. O impressionante é que a tal “emissora” é evangélica. A ilegalidade foi o caminho encontrado pelos responsáveis para propagar a crença. Bem diferente dos ensinamentos deixados por Jesus.

No Brasil, são consideradas piratas as rádios que não possuem licença de funcionamento do Ministério das Comunicação. Apesar de muitas se denominarem como Rádio Comunitária, só se enquadram nessa categoria aquelas que atendem as exigências legais. As rádios piratas ocupam, ilegalmente, frequências aleatórias, podendo interferir na comunicação entre torres de controle e aviões, hospitais e ambulâncias e de carros de polícia e de bombeiros.

Caso você tenha conhecimento de alguma rádio pirata em sua região, denuncie diretamente à Agência Nacional de Telecomunicações pelo telefone 0800-332001.

Ajuda ou propaganda?

Circula nas ruas do Jardim Romano este jornal, que ressalta as ações de alguns políticos em prol bairro. Deixo a pergunta: ajuda ou propaganda política?

Clique nas imagens para visualizá-las

Marcas da enchente

As ruas já estão secas, porém as marcas das enchentes prevalecem no Jardim Romano. Depois de ficar dois meses alagado, o bairro começa a se reerguer. No último sábado (13), percorri as ruas que ficaram imersas durante tanto tempo. Juntamente com a minha professora e uma colega da universidade, registrei cenas que guardarei para sempre na minha memória. Confira:

 Rua Capachós.

 Carro, símbolo da enchente, permanece no local mesmo depois do fim das chuvas.

Marca na parede mostra a altura que a água alcançou.

Prefeitura promoveu mutirão de limpeza no bairro.

 

  Bombeiros permanecem na região fazendo trabalho preventivo.

Em muro, moradores expressam revolta pelo descaso das autoridades: “Nois morrendo afogado e o Kassab afogando nosso dinheiro.”

Na rua 3, travessa da Capachós, ainda encontramos água.

Severino, mais conhecido como Bil, é morador do Jardim Romano há mais de 30 anos.

Uma boneca “sobrevive” entre o entulho das casas já demolidas pela prefeitura.

Edvaldo sorri, no local onde ficava a sua casa, hoje demolida. Um exemplo de vida.

Bomba drena durante 24 horas esgoto do bueiro.

Casas demolidas formam uma “barragem” na beira do rio.

 

Passarela liga rua Catulé ao CEU Três Pontes, Centro Educacional Unificado da prefeitura, e aos condomínios vizinhos.

Passarela recebe proteção nas laterais, um pedido da comunidade.

Moradores do condomínio, construído pela Caixa Econômica Federal, protestam: “Nosso sonho da casa própria virou um pesadelo.”

E também questionam: “Quem aprovou essa obra no meio de um manancial?”

Rua 3, casa 1

Na rua 3, travessa da rua Capachós, me deparei com uma triste cena. Entre as casas já demolidas pela prefeitura, encontrei moradias abandonas, que logo serão derrubadas. Entrei numa dessas residências, a de número 1. O cenário, lembra uma guerra. Veja as fotos:

Fotos: Felipe Godoy

Moradores do Jardim Romano protestam na prefeitura após 2 meses de abandono

Foto: Júlia Chequer/R7

No último fim de semana um carro de som percorreu as ruas do Jardim Romano convidando os moradores à comparecerem na sede da prefeitura de São Paulo nesta segunda-feira, dia 8 de fevereiro. O locutor indagava o porquê de várias ruas da região estarem alagadas há exatamente 2 meses. Os manifestantes pretendiam ser recebidos pelo prefeito Gilberto Kassab.

Ao ler os sites de notícias, fiquei surpreso. Após um pequeno tumulto, normal nessas ocasiões, a Polícia Militar usou spray de pimenta e cassetetes para conter o protesto. Pergunto: será que já não basta essas pessoas estarem abandonados depois de perderem todos os seus pertences para as chuvas?

Cerca de 230 pessoas participaram do protesto. Após uma reunião com representantes da prefeitura, os manifestantes saíram apenas com a promessa de uma audiência com o prefeito Gilberto Kassab na próxima sexta-feira (12). Vamos ver no que vai dar!

Veja as fotos da manifestação no R7.com:

http://noticias.r7.com/sao-paulo/fotos/manifestantes-protestam-contra-enchentes-20100208-3.html

« Previous entries